...surgiu, como se desintoxicar do homem errado, mas com o tempo mudou para "Como se desintoxicar da pessoa errada". Existem mulheres e homens intoxicados.Tanto as mulheres quanto os homens tem sua parcela de culpa por se intoxicarem pelas pessoas erradas, afinal, todos temos o livre arbítrio, temos como escolher, cada um tem a sua responsabilidade! Esse blog surgiu para trocar experiências, dar um ponto de vista diferente para que seja feita a auto-análise para mudar algo....descubra o que será mudado em você. Seja feliz. Sua felicidade depende somente de você!!! Não coloque a responsabilidade de sua felicidade em alguém que não possa te fazer feliz.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Corações descontrolados


Autora do best-seller “Mentes Perigosas” (Fontanar), que aborda a incapacidade de amar dos frios psicopatas, a psiquiatra Ana Beatriz Barbosa Silva se debruça sobre um tipo totalmente oposto em seu novo livro: alguém que canaliza toda atenção para a vida afetiva e que tem uma necessidade incontrolável de amar e ser amado o tempo todo. A obra “Corações Descontrolados” , da mesma editora, disseca o comportamento dos borders, chamados assim por sofrerem do Transtorno de Personalidade Borderline (TBP).
Um telefonema na véspera do Natal de 2009 motivou a autora a escrever o livro. A ligação interrompeu uma caminhada da psiquiatra na orla do Rio de Janeiro e era da amiga Victoria, que tinha acabado de ser presa por invadir o apartamento do ex-namorado, em uma tentativa desesperada de provar que era a mulher da vida dele. “No caminho até delegacia, fui me lembrando com toda a vida da Victoria era marcada por relações que terminavam daquele jeito. Repetindo o ciclo de se apaixonar pelo ‘grande amor da vida dela’, ser trocada por outra mulher e acabar aprontando alguma. Foi assim desde o primeiro namorado”, relata Ana.
De acordo com a psiquiatra, pessoas como Victoria (nome fictício) vivem sempre à beira de uma ‘hemorragia emocional’, que pode acabar ‘sangrando’ se elas se sentirem rejeitadas pelo (a) parceiro (a). Na entrevista a seguir, Ana descreve a tormenta de ser border e a maneira de tratar esse transtorno.
iG: Transtorno de Personalidade Borderline é uma doença? Como se caracteriza o comportamento de uma pessoa com essa desordem?
Ana Beatriz Barbosa Silva:  É mais do que uma doença, é um jeito disfuncional de ser. Uma maneira de lidar com a vida que traz um prejuízo significativo para uma pessoa. São quatro características básicas: a primeira é uma dificuldade significativa nos relacionamentos afetivos e interpessoais mais íntimos. A segunda é uma autoestima ruim, com esses indivíduos se vendo muito aquém do que realmente são, em uma visão distorcida da realidade. Há ainda a característica da impulsividade, que pode se manifestar com uma agressividade aos outros ou a eles mesmos. Por fim, há uma instabilidade emocional, com mudanças de humor várias vezes ao dia, em função dos acontecimentos, especialmente àqueles relacionados à esfera dos relacionamentos.


Bia Alves / Fotoarena
Ana Beatriz Barbosa Silva: "A vida afetiva domina a rotina de um border e nada mais importa"

iG: O que desencadeia essa instabilidade emocional e a constante mudança de humor?
Ana Beatriz Barbosa Silva:  Pode ser uma coisa simples. Por exemplo, se a pessoa border liga para o namorado no trabalho e ele fala apressado: “eu não posso falar com você agora porque eu estou muito ocupado”, aquilo já acaba com o dia dela.
Ela vê aquilo como algo pessoal, com uma rejeição. É diferente de alguém que tem, por exemplo, transtorno bipolar e alterna dois comportamentos opostos e bem marcados.
Quem tem transtorno borderline vai mudando de humor de acordo com as ações da pessoa que é o seu objeto afetivo.
iG: Então é um comportamento muito ligado à necessidade de ter aceitação, acompanhado do medo de ser rejeitado?
Ana Beatriz Barbosa Silva:  Exatamente. É como se essas pessoas fossem hipersensíveis a qualquer tipo de rejeição. Então, se alguém diz que não gostou do sapato dela, ela logo entende isso como se a pessoa não tivesse gostado dela inteira. Ela não consegue levar aquilo numa boa e responder brincando: “que engraçado você dizer isso, ele é confortável, me faz bem”. Qualquer crítica, por menor que seja, provoca abalos. Mesmo quando não é crítica, mas apenas uma observação. No livro “Mentes Perigosas”, eu tratei do transtorno de personalidade psicopática, sobre pessoas completamente racionais, que não têm nenhum sentimento pelo outro. Já uma pessoa border é totalmente o contrário disso, com muita emoção e zero racionalidade. Elas têm pouca identidade pessoal e acabam vivendo em função da opinião do seu objeto afetivo. Geralmente é o namorado, mas também pode ser um amigo ou um familiar.
iG: Em que fase da vida dá para perceber traços de transtorno borderline em uma pessoa? Isso aparece já na infância?
Ana Beatriz Barbosa Silva:  É um comportamento disfuncional que vai se intensificando ao longo da vida. Mas o momento de eclosão acontece na primeira paixão do indivíduo, o que geralmente ocorre durante a adolescência para a maioria das pessoas. É o período mais dramático, em que os pais começam a notar, por exemplo, que a filha tem uma reação muito exacerbada a um término de namoro, ameaça se matar e diz que não vai mais conseguir viver se não voltar para o namorado. Esse drama é até comum no primeiro amor de um jovem. O problema é que isso começa acontecer repetidamente e vira rotina em todas as relações afetivas seguintes. A pessoa começa a viver como se tivesse constantemente apaixonada, enfrentando esses ciclos em que se sente rejeitada.
iG: De acordo com a Associação de Psiquiatria Americana, as mulheres respondem por 75% dos casos de TPB. Porque essa predominância feminina no transtorno?
Ana Beatriz Barbosa Silva:  Os estudos mostram que o cérebro masculino é mais racional e o feminino mais emocional. Isso não quer dizer que não existam homens mais emocionais ou mulheres mais racionais. O transtorno de borderline é uma exacerbação do lado emocional, fica claro entender então que ele vai predominar nas mulheres. Numa razão inversa, o transtorno psicopático, caracterizado pela racionalidade, predomina entre os homens, numa razão de 4 para 1.
iG: Os borders, tanto homens como mulheres, podem ter um comportamento agressivo a ponto causar perigo aos seus parceiros?
Ana Beatriz Barbosa Silva:  Podem sim. Existem dois modelos básicos de borders. Um é aquele mais agressivo e explosivo, que gosta de controlar, persegue e até agride o objeto afetivo. Esse tipo predomina mais entre os homens. Já aquele que predomina mais entre as mulheres é o tipo mais implosivo, que parte mais para autoagressão. Nos casos mais graves, elas se automutilam machucando o próprio corpo ou bebem e usam drogas em excesso. Elas não usam essas substâncias por prazer, mas para se punirem.
iG: Já que TPB é muito mais uma maneira de ser do que uma doença, de que modo pode se tratar alguém com esse transtorno? É possível curar alguém com essa desordem?
Ana Beatriz Barbosa Silva:  Quando se trata de um transtorno de personalidade, não se fala em cura, mas em ajuste. Porque toda personalidade tem seu lado positivo e negativo. O que você faz no tratamento é exacerbar o que ela tem de positivo, abrir portas e mostrar que ela pode ter recompensas e prazer não apenas da vida afetiva, mas também no trabalho e nas outras áreas da vida. Pessoas com traços borders costumam ser brilhantes nas artes. Se for uma atriz, por exemplo, vai ser daquelas viscerais, que se entrega totalmente a um papel. Quanto aos fatores negativos, você trabalha ao máximo para reduzi-los. Você pode até ministrar um medicamento quando essa pessoa está numa fase muito agressiva, mas esse não é o foco principal.
_____________________________________________________________________________
“Corações Descontrolados” , de Ana Beatriz Barbosa Silva, editora Fontanar, 266 páginas. Preço sugerido: R$ 39,90
Fonte: IG

Um comentário:

Espero que o blog tenha te ajudado e agradeço a sua participação com seus comentários.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...